terça-feira, fevereiro 28, 2006

Último dia

Hoje é o meu último dia em Lisboa, ou seja, é o dia das despedidas, de sentir aquele aperto no estomago ao saber que vai demorar um bocado até ver de novo as pessoas de quem gosto. Mas não há nada a fazer, o bilhete está marcado e há trabalho para fazer no regresso (e explicações a dar...) .
Depois de quase dois anos a dizer adeus era de supor que se tornasse mais fácil, mas não é esse o caso, continua tão dificil como da primeira vez.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Presente

Bem o meu dia de trabalho acaba aqui e por isso vou para casa fazer malas mas não sem antes vos deixar um presente (dos bons) já que provavelmente amanhã mão vou ter tempo de postar nada.


Lisbon here I go!!!

Amanhã viajo para Lisboa, ao fim de quase dois meses em que não saí da região de Madrid vou finalmente voltar a casa por uns dias. Isto viver fora do país de origem tem que se lhe diga (mesmo que seja temporariamente. A primeira barreira a ultrapassar é a auto-suficiência, aprender a lição que se não formos nós a fazer ninguém o vai fazer por nós (e quando se tem que lidar com todas as tretas que sempre despejámos noutras pessoas a diferença note-se e de que maneira), depois vem a barreira linguistica, especialmente num país como Espanha em que o cidadão médio não é... como dizer... muito dotado para as línguas (até uma diferença de sotaque pode levar muito espanhol a dizer “no te entiendo” e virar costas).

Mas o mais difícil é mesmo estar longe das pessoas de que gostamos. Ao principio a novidade apaga a saudade e o facto de se estar sempre ocupado também não nos deixa pensar muito. Ao fim de alguns meses a coisa já muda de figura... as pessoas parece que nos começam a fazer cada vez mais falta emocionalmente. Mas agora tenho mini-férias para compensar isto tudo :) 5 dias para estar com a família e amigos e passar ainda mais tempo com o meu namorado.
Agora só tenho que ver quanto tempo é que ainda tenho que andar aqui a fingir que trabalho até poder dizer adeus aos "coleguinhas" e ir fazer as malas :)

23-F

Hoje por este lado da fronteira só se fala do 23-F, o golpe militar fracassado de há 25 anos (foi em 23 de Fevereiro de 1981). Nesse dia o Sr. Antonio Tejero, coronel da Guarda Civil, (com aquele curioso tricórnio na cabeça – um chapéu que até hoje a guarda mantém) entrou no congresso dos deputados e gritou “todo el mundo al suelo” e desatou a disparar para o tecto.


Para seu azar (e sorte de todos os outros espanhóis) o golpe foi mal planeado e correu mal e saldou-se por um fiasco, até hoje diz-se que a pessoa que menos sabia o que estava a fazer é o próprio Tejero, que foi um pouco uma marioneta no meio de peixe mais graúdo.

Hoje é um episódio que evoca o riso por ter sido mal organizado e pelo carácter anedótico do seu líder mas ao mesmo tempo com certo receio, já que qualquer golpe militar é sempre de levar muito a sério (mesmo os que falham).

Uma das descrições mais engraçadas feitas por jornalistas da época foi a de um escandinavo que afirmou que um homem mascarado de toureiro tinha sequestrado os deputados LOL.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Fim do dia

Hoje trabalhei que nem um cão, e acham que alguém diz “obrigado ainda bem que te esforçaste”? Qual quê... “bem... não era bem isto que nós queríamos” (what am I?? I bloody mind reader????). Porque que é que não esclarecem as coisas no inicio para evitar esforços desnecessários? No fim lá tive que andar a refazer tudo o que tinha feito nos últimos 4 dias, mas ao menos ficou despachado.

Depois disto preciso de algo para o ânimo, ora aí vai:

Era mesmo isto que precisava agora :)

Brokeback Mountain

Já me estava a sentir mal porque parecia que era o único da blogogayesfera que não tinha dedicado um post ao filme. Sim fui ver, sim gostei e sim infelizmente fui vê-lo em castelhano (era isso ou arriscar a não o ver de todo).

Brokeback Mountain toca fundo porque em partes parece que nos vemos retratados, eu pelo menos vi-me a mim – enormes doses de homofobia internalizada, felizmente que já não estou a assim. E é imensamente triste, eu quase fui às lágrimas, histórias de amor que acabam mal são sempre tristes mas uma que possuí um elemento de identificação pessoal tão forte é deprimente. Gostava de ver um filme em que os dois rapazes ficassem juntos, é que o público hetero pode preferir que a coisa se resolva sem qualquer acção da sua parte mas eu não!!


Quanto às reacções do público que estava na sala não me posso queixar (Espanha está do outro lado da fronteira mas parece quase outro mundo), não houve comentários estúpidos nem risos idiotas – aqueles risos do “estou desconfortável porque fui confrontado com uma situação com a qual não sei lidar por isso tenho que fazer pouco para salvar face”.


Apesar do final fico feliz que finalmente filmes com esta temática comecem a ser mainstream, é que mesmo essencial dar ao público em geral contacto geral com as relações e afectos entre duas pessoas do mesmo sexo – habituação leva à normalização. Para a próxima quero o meu final feliz!!! (ainda por cima o meu namorado está longe e não me pôde consolar quando o filme terminou, que desgraça).

Algumas vistas da cidade

Cá está Madrid, a cidade onde estou agora. Parece impossível o frio que faz cá de manhã, é de gelar os ossos (hoje quando saí de casa estava a amena temperatura de 3º C). Cá estão alguns dos sítios por onde passo com alguma frequência.


Vista para a praça de espanha

Vista para o palácio real

Praça de Espanha (a estátua é do D. Quixote)

terça-feira, fevereiro 21, 2006

(day)dreaming

Cá está uma foto que bem podia ter saído do sonho de alguém :P (ando a sonhar acordado à tarde :) )

E pronto lá vou eu sonhando com os tempos quando tiver a minha produtora de porno gay (ou semi lol). Enquanto não encontro os sócios certos para o negócio tenho que me contentar (e os meus leitores também) com as fotos dos outros. Lá virá o dia.

Ps: quanto à produtora não estou a brincar, potenciais sócios alistem-se!!

Começar bem o dia

Admito que quando tenho tempo gosto de começar o dia com um episódio de uma das minhas séries de comédia favoritas, há qualquer coisa em começar o dia com algo que nos põe bem dispostos que eu acho muito salutar. O grave problema é que ao fim de algum tempo já se conhecem as séries de trás para a frente e aí só há duas soluções. Ou passamos muito tempo sem as ver ou arranjamos novas (coitada da minha carteira que sofre com esta segunda hipótese).

Agora ando a rever o melhor do allo allo, uma série que curiosamente começou a ser filmada antes de eu nascer e que me apanhou nos meus teens quando via a britcom na RTP2. Há algo de tão ridículo e rebuscado em todas situações conspirações em que Réne e todos os outros se envolvem que é de partir a rir.


Algumas falas engraçadas que ficam na memória:

[repeated line] René: You stupid woman!

***
Officer Crabtree: I have good nose. René: Yes, you are very handsome... Officer Crabtree: The troon has been bummed by the RAF.

***
[upon seeing Leclerc's latest disguise] René: Man of a thousand faces, every one the same.

***
René: Yes, we are both from Nancy. We're just a couple of Nancy boys.

***
[on telephone] Herr Flick: Flick the Gestapo.... No, I said *Flick*, the Gestapo!

***
Col. Von Strom: If you will tell me the names of the Resistance leaders, I will see that you are protected. René: Protected? Against who? Col. Von Strom: Me. René: But, colonel, I do not know their names! They are mostly girls. They wear McIntoshes and little short white socks and berets like any other French girl. And they only reveal themselves at night. Capt. Hans Geering: Like any other French girl. Col. Von Strom: I wish I could get my hands on them. Capt. Hans Geering: We both do.

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

relax

Como disse no outro post as segundas feiras são tramadas e por isso mesmo deixo um presente para os olhos. Pode ser que suavize a tarde.


Quem gostou e seguiu as Desperate Housewives deve reconhece-lo de algum lado :)

Há dias assim

Há quem diga que á sexta feira é que uma pessoa precisa de ânimo, porque é o fim de uma semana cansativa (e as semanas são sempre cansativas para quem estuda ou trabalha), porque já não há paciência que chegue para aturar os mesmos colegas dia sim, dia sim ou porque as horas do último dia parece que se esticam. Mas na minha opinião um rapaz precisa de energia e ânimo é na segunda feira, esse dia fatídico, que se segue ao Domingo como a execução depois da última refeição de um condenado. Segundas feiras são um completo horror para mim, tudo o que não fiz e que devia ter feito aparece para me assombrar e quando os prazos apertam a desculpa que normalmente dou a mim mesmo já não funciona (é aquela muito velhinha do “não há problema faço amanhã”), é o dia em que nada está feito e em que todos se embrenham em novos projectos.

Definitivamente não gosto das segundas feiras, são dias de muito trabalho e eu sou mais dado à reflexão que à execução. Hoje em dia parece que já ninguém dá valor às pessoas que fazem sua ocupação pensar e analisar, parece que anda tudo obcecado com o fazer, apresentar coisas tangíveis, imediatas e de preferência lucrativas. Tudo isto dá-me um pouco de letargia, mesmo desânimo, parece que se está a tocar um música sublime e subtil para brutos incapazes de compreender as óbvias composições.

Por isso fica aqui uma mensagem de simpatia para todos os que sofrem com as segundas feiras, para os que têm colegas que nem o diabo merece, para os que estão desperdiçados em funções que não estão à sua altura. O importante é ir andando, um pé à frente do outro, e ir espreitando o que vai aparecendo ao virar da esquina.

Escolhas cinematográficas

Ultimamente a minha escolha de dvds tem-se alterado um pouco, sempre fui rapaz para gostar de uma boa comédia (então boas séries é fatal) ou um pouco drama. Mas este fim de semana quando olhei para a minha prateleira de dvds percebi que (além de gastar demasiado dinheiro em filmes) tenho bastantes de ficção e terror.

Não sei o que precipitou esta “sinistra” mudança nos meus gostos pessoais, é questão de ver se é coisa para ficar ou se dura pouco.

Alguns dos filmes que tenho visto em casa:

Olá

Enfim cá vou eu para a aventura blogoesférica. Eu tenho uma teoria quanto aos blogs, quando são pessoais mais tarde ou mais cedo acabam por parecer-se ao espaço físico e psicológico do autor. Se isso é verdade então sejam bem vindos todos os leitores que queiram partilhar da minha hospitalidade.

Características do anfitrião (aka eu): sexo masculino, algures nos meus 20s (já não estou nos meus teens mas parece-me que as hormonas continuam aos pulos lol), estudante (muito revoltado mas lá continuo a ser estudante), gay (mais ou menos no armário), leitor ávido de história, e... enfim o resto logo virá.